Se proponha desafios, eles te fortalecem | Parte Final

Se proponha desafios, eles te fortalecem | Parte Final

Retomando o relato, estava saindo do meu 2º dia de descanso total, no 17º dia de viagem. Como falei no 5º texto, estava bem cansado de fazer sempre as mesmas operações. O fato de não ter tempo para ficar mais de um dia em algum lugar me incomodava bastante. Claro, esse desânimo não ocorre o tempo todo, mas quando ele aparece, vem em forma de irritação. Essa era exatamente a razão pela qual eu havia me proposto tudo isso. Poderia ter escolhido passar trinta dias de férias com comodidade e tudo mais, mas continuaria na minha zona de conforto.

O objetivo era me desafiar, descobrir o limite físico e mental que eu poderia alcançar. Nesse momento da viagem, eu já tinha compreendido diversos desses limites e o que seria melhor fazer em uma próxima viagem. Ah, isso eu tinha certeza: eu tinha descoberto um novo modo de viajar!

 

220 km, conseguindo pegar a barca de puerto Yungay, eu chegaria em 3 dias no destino final. O sentimento já estava de fim de viagem e de dever cumprido. De Cochrane, pedalei 76 km até onde dizia ter um camping. Era um sítio, não tinha nada de infraesrutura. Fiquei por ali mesmo. No dia seguinte saí cedo, tinha que chegar antes da barca sair. Suando um pouquinho mais, consegui chegar no horário e pegar a barca. Antes, um guia que estava acampanhando um pessoal pela Patagônia começou a conversar comigo. Ele gostou da história da viagem e resolveu me pagar um café. Chegando no outro lado, sabia que teria que acampar na beira do rio. Esse último trajeto até Villa O’higgins não tem absolutamente nada.

Seguindo as dicas do App Overlander, consegui um baita lugar, próximo do rio. Foi a cereja do bolo, a última noite na Carretera Austral, com direito a fogueira!

 

 

No 20º dia de viagem, precisava pedalar 80 km para finalizar o objetivo proposto e sabia que não seria fácil. Vou te dizer, foi complicado. A pior estrada de toda Carretera estava nesses últimos quilômetros. Muito sobe e desce e muita pedra solta. Em todos esse dias, nada havia acontecido com a bicicleta, nem um pneu furado! Mas, claro que nesse dia furou o pneu dianteiro. No fim da tarde do dia 27 de março de 2019, eu completava a Ruta 7, chegando na Villa O’higgins! A sensação foi incrível, eu tinha completado o meu objetivo. Ao mesmo tempo, veio uma sensação de alívio, de relaxamento. O que viesse na sequência seria lucro.

 

Chegando na Villa O’Higgins

 

Me acomodei no único camping da cidade e, no dia seguinte, fui descobrir a situação da barca para cruzar a Argentina. Consegui a passagem, a barca partia no dia 30/03, um domingo. Tudo dependia do tempo, caso estivesse chovendo e com muito vento o embarque seria cancelado pelo risco da barca virar. Assim, teria mais um dia de descanso e tempo para muita reza para que o tempo melhorasse, já que estava chovendo e a previsão era de chuva para o fim de semana inteiro.

 

Esses dois dias passaram como uma semana. Foi muito bom, havia mais algumas pessoas no camping e nos juntamos para fazer pizza. Seria a última noite de todos do camping na Carretera Austral. Muitas lembranças de todos, alguns haviam cruzado pelas mesmas pessoas.

 

Se proponha desafios, eles te fortalecem | Parte Final

Entrada na Argentina

 

No dia seguinte, partimos para a barca, fizemos a saída do Chile e entrada na Argentina (foto acima). Que caminho desgraçado! Alguns momentos tínhamos que carregar as bicicletas nos ombros. Passei por El Chalten e fui para El Calafate.

Depois de uns 30 km, um carro passa por mim, encosta depois de uns 5 km. O motorista sai e começa a tirar fotos. Chego até ele, me apresento. O nome dele é Quique, Argentino. Ele me mostra as fotografias, estavam lindas. Me dou conta que a paisagem atrás de mim estava mais bonita que a da frente que era só pampa. Pergunto se ele pode me enviar as fotografias e ele diz que sim. Me passa um pedaço de papel, pede para eu anotar um e-mail para enviar as fotos. Ele se despede eu fico ali para fazer algumas fotos e com a grande dúvida: será que realmente receberia estas fotos? Duas semanas depois de ter finalizado a Carretera eu recebi o e-mail dele (foto abaixo).

 

 

Acampei em um hotel no meio do nada, na companhia de um gerador ligado 24h e de uma família de porcos que ficava solta por lá. Acordei dia 01/04, arrumei tudo para sair. Seria o último dia de pedal. E que dia! Estava nublado, mas não tirou a alegria do momento. Os últimos 100 km da viagem. Nesse ponto, já sabia que completaria naquele mesmo dia. Pedalei por 7 h, parei bastante para tirar algumas fotos ou só para olhar a vista mesmo. Nos 20 km finais, peguei a estrada que vai para El Calafate e cruzei com um casal que estava vindo do sul da Argentina. Finalizei a viagem com eles (foto abaixo).

 

Se proponha desafios, eles te fortalecem | Parte Final

 

Que maravilha, que sensação maravilhosa de ter acabado, havia completado 1500 km em 23 dias. Agradecia de mais a todos que haviam me apoiado no projeto que desenvolvi na Alster. Sempre me lembrarei que essa viagem não foi realizada sozinho (imagem abaixo)

 

Se proponha desafios, eles te fortalecem | Parte Final

Apoiadores da Campanha Carretera Austral

 

*Caso queira ler os outros textos que contam a viagem: Parte 1, Parte 2, Parte 3, Parte 4 e Parte 5.

Gostou? Show! Bora compartilhar com a galera?

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on email

Conheça as Campanhas

Explorar

Realize seu Sonho

Criar Campanha

Login

Nunca passou por aqui?